Catedral São José - Erexim/RS
» Pesquisar no site
Notícias
Benin: História, população e presença da Igreja Católica
Postada em: 18/11/2011

Benin: História, população e presença da Igreja Católica

Cotonou, 17 nov (RV/SIR) - O Benin, onde o Santo Padre Bento XVI realizará sua 22a viagem apostólica de 18 a 20 de para a assinatura e a publicação da Exortação Apostólica pós-sinodal da Segunda Assembleia Especial do Sínodo dos Bispos para a África, é um dos menores países do continente africano, oito vezes menor que seu vizinho a leste, a Nigéria, mas o dobro que seu vizinho a oeste, o Togo. A capital constitucional é a cidade de Porto-Novo, mas Cotonou é a sede do governo e a maior cidade do país. Benin tem 112.622 km2 e uma população de 9,3 milhões de habitantes (dado atualizado em 2009, fonte Banco Mundial). Antiga colônia francesa, o país alcançou a independência em 1º de agosto de 1960, com o nome de República de Daomé. Em 1975 o país adotou o atual nome de Benin, em razão da baía que o banha na costa sul.

História

O território onde Benim se localiza era ocupado no período pré-colonial por reinos separados, dos quais o mais poderoso foi o reinado Fon de Daomé. No entanto, o Reino do Benim foi igualmente grande na região, e suas tradições e arte são mantidas ainda hoje também na vizinha Nigéria. A partir do século XVII, os portugueses estabeleceram entrepostos no litoral, conhecido então como Costa dos Escravos. Os negros capturados eram vendidos no Brasil e no Caribe. No século XIX, a França, em campanha para abolir o comércio de escravos, entrou em guerra com reinos locais. Em 1892, o reinado Fon foi subjugado e o país se tornou protetorado francês, com o nome de Daomé. Em 1904 integrou-se à África Ocidental Francesa. O domínio colonial encerrou-se em 1960, e o primeiro presidente foi Hubert Maga. A partir de 1963, o país mergulhou na instabilidade política, com seis sucessivos golpes militares. Em 1972, um grupo de oficiais subalternos tomou o poder e instituiu um regime esquerdista, liderado pelo major Mathieu Kérékou, que governou até 1990. Fundou-se então a República Popular do Benim. Kérékou nacionalizou companhias estrangeiras, estatizou empresas privadas de grande porte e criou programas populares de saúde e educação. A doutrina oficial do Estado era o marxismo-leninismo, mas a agricultura e o comércio permaneceram em mãos privadas. Em 1975, o país passou a se chamar Benim. O regime político entrou em crise na década de 80 e o governo começou a recorrer a empréstimos estrangeiros. Uma onda de protestos, em 1989, levou Kérékou a promover uma abertura política e econômica. Com a instituição do pluripartidarismo, surgiram mais de 50 partidos. Nicéphore Soglo, chefe do governo de transição formado em 1990, foi eleito presidente em 1991. Em 1996, perdeu as eleições para Kérékou, que governou até abril de 2006, quando decidiu não concorrer novamente, sendo substituído por Yayi Boni. Em relação à economia, 60% da população dependem da agricultura. Os principais cultivos são mandioca, feijão, batata-doce, milho, arroz e principalmente algodão, a principal fonte de entradas estrangeiras no país. Convivem no Benin cerca de 40 grupos étnicos, o maior dos quais é o Fon, com o qual metade dos habitantes se identifica. Outros grupos menores são os Yoruba, os Somba, os Beriba. Cada um tem o seu próprio dialeto. A língua oficial é o francês, usado sobretudo na cidades.

Religião

Segundo o Censo de 2002, 27,1% da população do Benim é católica romana, 24,4% é muçulmana, 17.3% pratica vodu, 5% é celestial cristã, 3,2% metodista, 7,5% segue outras denominações cristãs, 6% outros grupos religiosos tradicionais locais, 1,9% outros grupos religiosos, e 6,5% reivindicam não ter filiação religiosa. Quanto à Igreja Católica, existem no Benin 10 circunscrições eclesiásticas, 338 paróquias e 801 centros pastorais, aos quais se dedicam 11 bispos, 811 sacerdotes, 1.386 religiosos e religiosas, 30 membros leigos de Institutos seculares e 11.251 catequistas. Os seminaristas menores são 308 e os maiores 497. 57.771 estudantes frequentam instituições católicas, de escolas maternais a universidades. Há ainda 12 hospitais, 64 postos de saúde, 3 leprosários, 7 casas para idosos ou portadores de deficiências, 41 orfanatos e asilos para crianças, 3 consultórios de assistência familiar pertencentes à Igreja ou administradas por sacerdotes ou religiosos.

 Fonte: Catolicos.

 

Informativos
» Boletim Caritas (9/2007)
» Boletim Diocesano (1/2012)
» Boletim Pastoral da Juventude (11/2011)
» Cel. Dominical da Palavra (1/2012)
» Folheto Litúrgico (2/2012)
Campanhas e Eventos
» Campanha da Fraternidade 2007
» Campanha da Fraternidade 2008
» Campanha da Fraternidade 2009
» Campanha da Fraternidade 2010 - Ecumênica
» Campanha da Fraternidade 2011
» Campanha da Fraternidade2013
» Evangelização
» Missões
» Outras
Textos de Reflexão
» MENSAGEM PARA O 50º DIA MUNDIAL DA PAZ
» Miseriórdia e Mísera - Papa Francisco
» Exortação do Papa Francisco sobre o Amor na Família
» Carta apostólica "Mitis Iudex Dominus Iesus"
» Jubileu da Misericórdia - Papa Francisco
» CNBB - Drogas e Momento Atual
Imagens
Últimas imagens postadas na galeria de fotos da Catedral
Admissão dos Coroinhas da Catedral
- Paróquia
- Programação
- Serviços Pastorais
- Notícias
- Imagens
- Reflexão
- Diocese de Erexim
- Links
- Contato
Catedral São José
Erexim - RS - Brasil
Avenida Maurício Cardoso, 62
Cep 99700-000
Fone (54) 3321-2379

2018 - NiX Brasil . Agência Digital - Todos os Direitos Reservados.